O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Odebrecht foi apresentado na sessão desta quarta-feira (7) na Câmara de Vereadores de Campos pelo vereador Genásio (PSC), presidente da Comissão. Como já era esperado, a conclusão dos trabalhos apresentou diversos indícios de crimes cometidos pela gestão Rosinha Garotinho no contrato bilionário que firmou com a Odebrecht para a construção das casas populares do Morar Feliz em Campos. Os crimes apontados no relatório foram: associação criminosa, fraude do caráter competitivo em licitação, corrupção passiva, caixa dois eleitoral e improbidade administrativa. O relatório sugere ainda que Anthony Garotinho e Rosinha sejam indiciados.

“Há indícios que o nível de exigências tenha sido elevado de propósito para dispensar empresas daqui de Campos. Quarenta empresas mostraram interesse na licitação do Morar Feliz 1, mas apenas três apresentaram proposta. Além disso, tudo leva a crer que a Queiroz Galvão e a Carioca Engenharia apresentaram propostas fraudadas somente para ajudar a Odebrecht e para que ‘houvesse competição’. De 200 itens apresentados pelas três empresas, 180 eram idênticos até nos valores em reais e centavos”, explicou Genásio.

Provas – Apoiador e discípulo do ex-governador Anthony Garotinho, o vereador Thiago Ferrugem – que é um dos membros da CPI – garantiu que não há provas concretas de ilegalidades cometidas pela administração municipal. “Pra me convencer, faltam documentos que corroborem com essa situação e eu não consegui identificar isso dentro da CPI”, garantiu.

Em resposta ao vereador Thiago Ferrugem, José Carlos – relator da CPI – afirmou que o colega foi ‘contra várias ações da CPI’. “Nossa parte, nós temos que fazer. Diversas vezes o Ferrugem foi contra várias situações, mas nós sabemos o porquê. No meu ver, o resultado da CPI foi muito positivo e vamos levar às autoridades competentes que tomarão as medidas”.

Irregularidades – Já o presidente da Comissão reafirmou que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) já havia encontrado irregularidades no contrato entre a Odebrecht e a Prefeitura de Campos. “Tanto houve irregularidades que Davi Loureiro e Suledil Bernardino, secretários na época, foram multados”, lembrou Genásio.

Próximo passo – Além do presidente da CPI, Genásio, e do relator José Carlos, foram membros da Comissão Jorginho Virgílio, Abu e Thiago Ferrugem. Agora, o documento será encaminhado pela Câmara à Polícia Federal (PF), Ministério Público Estadual (MPE), Ministério Público Federal (MPF), Tribunal de Contas do Estado (TCE), Polícia Civil e Prefeitura de Campos.

Por: Redação

COMENTE COM SEU FACEBOOK