A Superintendência de Igualdade Racial (Supir) inicia nos próximos dias, as inscrições para o Pré-vestibular social. O projeto estava parado desde o ano passado e, agora, na gestão do prefeito Rafael Diniz foi pensado um novo modelo para atender as pessoas que, de fato, necessitam. Uma novidade é que o projeto será realizado através do trabalho voluntário por um grupo de professores de Campos e região. Inicialmente, serão oferecidas 60 vagas, mas a intenção da superintendência é aumentar esse número e descentralizar os locais para as aulas.

Nesta quinta-feira (10), o prefeito Rafael Diniz se reuniu com a superintendente Lúcia Talabi; o adjunto, Rogério Siqueira e o diretor de Projetos da Supir, Diogo Lima para tratar do novo modelo.
— Trata-se de mais uma política pública de baixo custo voltada para as pessoas que mais necessitam na nossa cidade. A Supir está de parabéns e mais ainda os professores que irão atuar voluntariamente nesse projeto —  afirmou.

Talabi destacou que, no início do ano, foi identificado que o pré-vestibular social não possuía critérios para ser realizado e que, por isso, não foi possível identificar se o projeto beneficiava realmente as pessoas mais necessitadas. Segundo Diogo Lima, 50% das vagas serão destinadas a alunos carentes socioeconomicamente e os outros 50% para alunos negros carentes socioeconomicamente.

— Vamos disponibilizar um formulário de inscrição com questionário socioeconômico para identificar as pessoas que realmente necessitam do pré-vestibular social. A Portaria com informações sobre as etapas do processo será publicada no Diário Oficial nos próximos dias — explicou ao ressaltar que foi utilizado três princípios para a elaboração do novo modelo de pré-vestibular social: baixo custo, eficácia e política de integração.

Ainda segundo Diogo, além das aulas presenciais, a Supir pretende publicar na internet videoaulas para alcançar aqueles alunos que, por ventura, não se enquadrem nos critérios de inscrição do pré-vestibular e também como reforço para os contemplados com o projeto. “A ideia é veicular duas aulas de cada disciplina por semana”, pontuou.

Descentralização – Para o próximo ano, a Supir além de aumentar o número de vagas, a proposta é de descentralização do pré-vestibular social.

— A diretoria de políticas públicas territoriais da Supir fez uma regionalização e identificou 33 bairros onde há maior vulnerabilidade e 19 escolas que podem ser úteis para essa descentralização, que é nosso objetivo para o próximo ano — explicou Diogo Lima ao ressaltar que as aulas aconteciam apenas na sede da Supir, antiga Fundação Zumbi do Palmares.

Fonte: Secom

COMENTE COM SEU FACEBOOK